Upskill Platform

Pessoas no centro da estratégia

A pandemia do COVID-19 acelerou o processo de desenvolvimento de habilidades humanas, e as empresas mais bem sucedidas rapidamente adotaram ou reforçaram, em sua cultura, alguns conceitos que colocam as pessoas no centro da estratégia do negócio, como: People first, Employee Experience, Employer Branding, Workforce Ecosystem e Liquid workforce.

Pessoas no centro da estratégia

O mundo pós-pandemia escancarou a necessidade das empresas cuidarem melhor de seus colaboradores. Não é que a estratégia people first seja algo novo, mas certamente se tornou indiscutível e indispensável no cenário atual.

Nesta realidade de rápida transformação e mudança no modelo de trabalho, híbrido ou remoto, como você tem se sentido?

Eu sinto que, depois de atender às muitas demandas do trabalho e da vida pessoal – que já existiam antes da pandemia – somadas a inúmeras reuniões on-line, e-mails e  mensagens intermináveis – estou sempre no início de alguma curva de aprendizado.

Pois, esta é a era na qual estamos entrando: mais veloz do que nunca e que exige diariamente, de nós e de nossas equipes,  novos conhecimentos e habilidades.

Diante disso, precisamos desenvolver a capacidade de lidar com nossas emoções, para aprendermos continuamente e nos adaptarmos rapidamente.

Mas, você deve estar se perguntando: quais habilidades priorizo?

De dois anos para cá, é crescente o número de profissionais, especialistas, que têm reconhecido as habilidades comportamentais como as mais relevantes. O que tem sido chamado de power skills.

Afinal, nesses últimos anos, a instabilidade aumentou no cerne da nossa produtividade e desempenho: nosso bem-estar físico, emocional e mental.

Se o corpo ou a mente não estiverem bem, se você estiver sempre estressado, em conflito com as pessoas, ou se sentindo frustrado e sobrecarregado, jamais conseguirá desbloquear seu máximo potencial ou vivenciar uma sensação de realização e plenitude.

Não há habilidade digital ou técnica que possa ser apreendida ou aplicada, se o corpo não estiver saudável, as emoções não forem bem gerenciadas e a mente não for clara e focada.

Por isso, o fitness mental e emocional tornou-se uma das power skills do futuro, e do presente. Por que, sem isso, as pessoas não têm energia, vontade e foco suficientes para aprender, se adaptar, produzir, ou inovar.

Pessoas no centro da cultura organizacional

Embora este movimento para desenvolver as habilidades humanas já estivesse em andamento, a pandemia do COVID-19 acelerou o processo. E as empresas mais bem sucedidas rapidamente adotaram ou reforçaram, em sua cultura, alguns conceitos como:

  • People first: um conjunto de estratégias que contribuem para que as pessoas estejam sempre em primeiro lugar no planejamento.
  • Employee Experience: “é a soma de tudo o que um funcionário experimenta ao longo de sua conexão com a organização” (Denise Lee Yohn, revista Forbes)
  • Employer Branding: é um conjunto de técnicas e ferramentas para gerar uma percepção positiva do mercado a respeito de sua empresa como local de trabalho.
  • Workforce Ecosystem: é criar um ecossistema em que colaboradores internos e parceiros de negócios são considerados parte de um mesmo time e cultura.
  • Liquid workforce: é uma tendência que exige uma equipe habilidosa e extremamente ágil para atuar em um mundo onde a transformação digital e a flexibilidade estão no centro da estratégia de Recursos Humanos.


Você conhece e/ou aplica alguma(s) dessas estratégias?

Uma parte desta mudança cultural tem sido influenciada pelo comportamento da força de trabalho que, diante de todas as adversidades, passou a ser movida pelo ideal da Passion Economy, uma atitude de pessoas que escolhem transformar um hobby em profissão e serem movidos por seu propósito.

Diante deste novo paradigma, desenvolver as power skills nas lideranças é fundamental para conduzir os colaboradores a manterem um desempenho que faça a empresa crescer e, ao mesmo tempo, deflagre em cada um maior senso de pertencimento e a oportunidade de realizar seu propósito no trabalho.

É neste cenário que todos estamos, mais engajados ou menos.

Quer saber como aumentamos o engajamento dos colaboradores?

Agende uma demo, clicando aqui

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Summary

Newsletter

Assine nossa newsletter e mantenha-se atualizado.

Últimos artigos

Uma mulher com cara de sobrecarregada por estar ocupada demais
Intuitive & Creative Mind
Aline Daher

Busyaholic: como parar de se ocupar e inovar?

Você passa mais de 8 horas trabalhando, mas, no fim do dia, sente que não fez o suficiente? Tem a sensação de correria, de não ter tido um momento de tranquilidade, mas não produziu nada relevante ou não criou nada novo? Se você disse “sim” a alguma das perguntas acima, é provável que faça parte do time dos busyaholics. O busyaholic não só trabalha o tempo todo, mas sente necessidade de estar ocupado o tempo todo. Por esta razão, não dedica tempo ao ócio, tão relevante para a criatividade e performance. 

Saiba mais »
fit cultural
Liderança do futuro
Aline Daher

Fit cultural inclusivo: para além do recrutamento

Fit cultural é um termo que se aplica, normalmente, ao alinhamento de um candidato a determinada vaga, no processo de seleção de uma empresa. No entanto, quando restringimos esta prática à entrevista de seleção de um novo colaborador, podemos estar ignorando o fato de que a cultura organizacional sofre mudanças ao longo da história de uma empresa, e que seus colaboradores e políticas precisam se adaptar, do contrário, seria necessário trocar todas as equipes a cada mudança de cenário.

Saiba mais »

Agende uma demonstração

Desenvolva sua equipe, faça sua empresa crescer