Upskill Platform

Autopercepção: habilidade crucial para uma liderança eficaz

Em um mundo empresarial altamente competitivo e dinâmico, os líderes corporativos enfrentam constantemente desafios e pressões para obter resultados, liderar equipes e tomar decisões estratégicas. Nesse contexto, a autopercepção emerge como uma habilidade fundamental para o sucesso e crescimento contínuo dos líderes.

Autopercepção: habilidade crucial para uma liderança eficaz

Em um mundo empresarial altamente competitivo e dinâmico, os líderes corporativos enfrentam constantemente desafios e pressões para obter resultados, liderar equipes e tomar decisões estratégicas. Nesse contexto, a autopercepção, que se tornou uma das habilidades do futuro segundo o último relatório Future of Jobs do Fórum Econômico Mundial, emerge como uma habilidade fundamental para o sucesso e crescimento contínuo dos líderes. 

A psicóloga organizacional Tasha Eurich tem se destacado no estudo da autopercepção, fornecendo insights valiosos sobre como os líderes podem aprimorar sua compreensão de si mesmos e, assim, melhorar sua eficácia como líderes. Neste artigo, exploraremos os conceitos-chave de Eurich e a importância da autopercepção no contexto corporativo.

O que é autopercepção?

A autopercepção é a capacidade de compreender nossos próprios pensamentos, emoções, comportamentos e motivadores. É uma habilidade que permite aos líderes se conhecerem de maneira profunda e precisa, reconhecendo suas forças, fraquezas, valores e objetivos. A autopercepção não apenas envolve a compreensão do eu interno, mas também a capacidade de perceber como os outros nos veem e como nossas ações afetam as pessoas ao nosso redor.

Segundo Eurich, “a autopercepção parece ter se tornado a última palavra da moda gerencial — e por um bom motivo. Pesquisas sugerem que, quando nos vemos claramente, somos mais confiantes e mais criativos. Tomamos decisões mais sólidas, construímos relacionamentos mais fortes, e nos comunicamos com mais eficiência. Temos menos probabilidade de trazer à tona nosso lado negativo. Seremos profissionais melhores e, assim, teremos mais chances de sermos promovidos. Nos tornaremos líderes mais eficazes com funcionários mais satisfeitos e empresas mais lucrativas.”

A autopercepção interna é a habilidade de reconhecer e entender o impacto nas outras pessoas de:

  • nossos valores
  • nossas paixões
  • nossas aspirações
  • nossas reações
  • nossos pensamentos
  • nossas emoções
  • nossos comportamentos
  • nossas forças
  • nossas fraquezas

A autopercepção externa é a habilidade de perceber como os outros enxergam os mesmos elementos listados acima. Veja na imagem 4 arquétipos que Eurich detectou em seu estudo com mais de 5.000 líderes.

Autopercepção como primeiro passo para a autenticidade

Uma das principais contribuições de Tasha Eurich é o conceito de autenticidade, que está intrinsecamente ligado à autopercepção. Líderes autênticos são aqueles que têm uma compreensão clara de quem são e do que valorizam, e alinham suas ações e decisões com esses princípios. A autenticidade permite que os líderes sejam genuínos em suas interações com os outros, construindo confiança e conexões significativas.

Benefícios da autopercepção

A autopercepção traz uma série de benefícios tangíveis para os líderes corporativos. Ao compreender suas próprias habilidades e limitações, os líderes podem tomar decisões mais informadas e estratégicas. A autopercepção também ajuda os líderes a reconhecer e lidar com suas emoções de maneira saudável, gerenciando o estresse e a pressão de forma eficaz. Além disso, líderes autoperceptivos têm maior capacidade de adaptação e aprendizado contínuo, permitindo que se desenvolvam e cresçam como profissionais.

Desafios para a autopercepção

Embora a autopercepção seja uma habilidade valiosa, também enfrenta alguns desafios comuns. Um deles é o viés cego, ou seja, a dificuldade de enxergar nossas próprias falhas e comportamentos prejudiciais. Outro desafio é o viés de confirmação, que nos leva a buscar informações que reforcem nossa visão preexistente de nós mesmos, ignorando perspectivas divergentes. Superar esses desafios exige humildade, abertura para feedback e disposição para confrontar verdades desconfortáveis sobre si mesmo.

Desenvolvendo a autopercepção

Felizmente, a autopercepção pode ser desenvolvida e aprimorada. Tasha Eurich sugere algumas estratégias práticas para líderes que desejam fortalecer sua autopercepção, como:

  • A busca de feedback honesto e construtivo, tanto de superiores quanto de colegas e subordinados.
  • A autorreflexão regular, por meio de diários de desenvolvimento ou sessões de mentoria individual. 
  • E a prática da escuta ativa e da empatia também pode ajudar os líderes a se tornarem mais conscientes de seu impacto nos outros.

Conclusão

A autopercepção é uma habilidade crucial para os líderes corporativos que desejam ser eficazes, autênticos e capazes de enfrentar os desafios complexos do ambiente empresarial atual. 

Tasha Eurich nos ensina que conhecer a si mesmo é um processo contínuo, exigindo humildade, coragem e disposição para o crescimento pessoal. 

Ao cultivar a autopercepção, os líderes se tornam mais capacitados para conduzir suas equipes com empatia, clareza e confiança, construindo uma cultura organizacional saudável e orientada para o sucesso.

E ainda que você não ocupe um cargo de liderança, poderá desenvolver sua autoliderança – tanto para ser capaz de se autogerir no trabalho quanto se conduzir a alcançar seus objetivos pessoais e profissionais.

Desenvolva a autopercepção de sua liderança e aumente a visibilidade dos problemas que estão bloqueando o crescimento da sua empresa!

DÊ UM UPSKILL na sua empresa!

Agende uma DEMO da nossa Plataforma!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Summary

Newsletter

Assine nossa newsletter e mantenha-se atualizado.

Últimos artigos

Uma mulher com cara de sobrecarregada por estar ocupada demais
Intuitive & Creative Mind
Aline Daher

Busyaholic: como parar de se ocupar e inovar?

Você passa mais de 8 horas trabalhando, mas, no fim do dia, sente que não fez o suficiente? Tem a sensação de correria, de não ter tido um momento de tranquilidade, mas não produziu nada relevante ou não criou nada novo? Se você disse “sim” a alguma das perguntas acima, é provável que faça parte do time dos busyaholics. O busyaholic não só trabalha o tempo todo, mas sente necessidade de estar ocupado o tempo todo. Por esta razão, não dedica tempo ao ócio, tão relevante para a criatividade e performance. 

Saiba mais »
fit cultural
Liderança do futuro
Aline Daher

Fit cultural inclusivo: para além do recrutamento

Fit cultural é um termo que se aplica, normalmente, ao alinhamento de um candidato a determinada vaga, no processo de seleção de uma empresa. No entanto, quando restringimos esta prática à entrevista de seleção de um novo colaborador, podemos estar ignorando o fato de que a cultura organizacional sofre mudanças ao longo da história de uma empresa, e que seus colaboradores e políticas precisam se adaptar, do contrário, seria necessário trocar todas as equipes a cada mudança de cenário.

Saiba mais »

Agende uma demonstração

Desenvolva sua equipe, faça sua empresa crescer