Upskill Platform

O maior diferencial competitivo da empresa do futuro

O tempo que dedicamos ao trabalho consiste em aproximadamente um terço das nossas vidas. Até pouco tempo atrás, uma parte significativa das pessoas apenas sobrevivia, aceitando trabalhar em ambientes pesados e de relações humanas ruins, trabalhando no piloto automático. No entanto, no cenário atual, isso não é mais sustentável. O que parecia uma vantagem para as empresas manterem seus talentos e sua produtividade, agora não é mais suficiente. Humanizar as relações se tornou o principal diferencial competitivo da empresa do futuro. Mas como esta humanização pode fazer pessoas e empresas prosperarem?

O maior diferencial competitivo da empresa do futuro

O tempo que dedicamos ao trabalho consiste em aproximadamente um terço das nossas vidas. Até pouco tempo atrás, uma parte significativa das pessoas apenas sobrevivia. Aceitava-se trabalhar em ambientes pesados e de relações humanas ruins, trabalhando no piloto automático. No entanto, no cenário atual, isso não é mais sustentável. O que parecia uma vantagem para as empresas manterem seus talentos e sua produtividade, agora não é mais suficiente. Humanizar as relações se tornou o principal diferencial competitivo da empresa do futuro. Mas como esta humanização pode fazer pessoas e empresas prosperarem?

Diferencial competitivo da empresa do futuro

Uma breve retrospectiva das relações humanas no trabalho

Melhoria tecnológica não significa melhoria nas relações de trabalho

Na primeira década do século XXI, nossa civilização começou uma jornada na construção da indústria 4.0. A expectativa era criar um contexto em que máquinas, processos digitais e humanos cooperassem para o sucesso dos negócios. E, no entanto, a maioria das relações humanas de trabalho não melhorou proporcionalmente aos avanços da tecnologia. Em alguns setores ou empresas, até piorou. 

Industria 4.0

Anos antes da pandemia do COVID-19, já havia um processo de mudança do comportamento dos profissionais. Eles começavam, aos poucos, a buscar empregos nos quais houvesse uma valorização do ser humano, de seus anseios, de suas necessidades, ambientes melhores e líderes mais humanizados. Mas este processo ocorria lentamente, até como resultado da transição progressiva de gerações. As novas gerações traziam esses anseios para o mundo do trabalho e isso vinha numa crescente, mas uma crescente lenta.

Gerações e humanização

Com o advento da pandemia, houve uma disruptura completa na forma como as pessoas se relacionavam no trabalho e uma imensa digitalização de processos e sistemas. Este evento inesperado, que exigiu isolamento e distanciamento social durante mais de um ano e meio, acelerou muito a busca dos colaboradores por um maior balanço entre vida pessoal e profissional, a priorização da saúde mental e física, e a não aceitação de qualquer tipo de trabalho, principalmente se o ambiente fosse tóxico e, as relações humanas, ruins. 

O cenário pós-COVID e as novas prioridades das pessoas no trabalho

Por fim, isso escancarou como a falta de priorização das pessoas e de uma maior humanização das relações de trabalho prejudicam o engajamento dos profissionais. Além disso, impactam a produtividade, a performance e a saúde e, por consequência, esta cultura afeta negativamente a prosperidade das empresas.

Principalmente depois dessa experiência, as pessoas talentosas pararam de aceitar ambientes de cultura tóxica. Esses profissionais passaram a buscar empresas com um propósito forte e uma liderança preparada para inspirá-las e engajá-las, apesar da realidade cada vez mais complexa e rápida. Elas passaram a desejar realização no trabalho, equilíbrio entre vida pessoal e profissional, um emprego com mais significância, e não mais apenas um salário que pagasse o aluguel.

cultura organizacional

Os desafios de liderar na era pós-COVID

Com muitos desses profissionais em busca de autonomia, liberdade e oportunidade de trabalhar com o que se gosta, o trabalho remoto, parcial ou integral, tornou-se um critério importante para se manter no emprego atual, ou para trocar de emprego. E este ambiente de trabalho híbrido adicionou mais complexidade à gestão das pessoas e à manutenção da coesão, colaboração e performance dos times.

No mundo pré-COVID, era mais comum que as pessoas, trabalhando presencialmente, se encontrassem informalmente no cafezinho, visitando a mesa do colega ou liderado, num happy hour, ou quando iam almoçar juntos. Isso permitia que se conhecessem no aspecto mais humano, mais pessoal, soubessem o que cada um mais gosta e valoriza, aquilo que mais os incomoda, no que cada um é bom, o que conhecem. Esta proximidade e convivência facilitava as conexões humanas, e o trabalho colaborativo, apesar de não necessariamente gerar uma sensação maior de inclusão e de pertencimento.

Construir este tipo de ambiente de trabalho já era desafiador quando a maioria das empresas operavam presencialmente e as pessoas se conheciam melhor. Na era pós-COVID, em trabalho remoto ou híbrido, as oportunidades de aprendizado e conhecimento mútuo foram muito reduzidas. Com o distanciamento, a liderança e os colegas passaram a ter maior dificuldade de conhecer a dimensão pessoal de cada liderado, acompanhar seu desempenho, acolhê-lo, contribuir para seu bem-estar mental e emocional, e fomentar engajamento e colaboração.

Por consequência, o tempo que demora para as pessoas de uma mesma empresa se conhecerem é muito mais longo. Isso pode impedir que a organização consiga um melhor nível de colaboração, pertencimento, engajamento, coesão e performance dos times, desencadeando perda de talentos.

Neste contexto de grande instabilidade econômica e degradação da saúde mental da população, as empresas que mantiveram o foco apenas no lucro ao invés de se dedicarem a cuidar e desenvolver as pessoas, começaram a sofrer mais rapidamente com a perda de talentos, aumentando a fragilidade de seu negócio.

O diferencial competitivo da empresa do futuro

Diante desses fatos e dados, acreditamos que a empresa do futuro será aquela que valoriza as relações humanas e o bom ambiente de trabalho como diferenciais competitivos e de performance superior.

Empresa do futuro

Desenvolvendo líderes humanizados para acelerar a performance da empresa do futuro

A Upskill Platform tem o propósito de acelerar o desenvolvimento dos líderes, para que adquiram de verdade as habilidades, mindsets e comportamentos que irão construir equipes de trabalho mais preparadas para prosperar no futuro, e proporcionar crescimento pessoal e profissional num ambiente colaborativo, inclusivo e acolhedor. 

Também queremos chegar a cada colaborador, ajudando cada pessoa a ter um trabalho mais intencional ao invés de um trabalho que apenas pague as contas. Um trabalho no qual ele seja um elemento que ativamente contribui para criar senso de pertencimento, colaboração e a coesão dos times. Um trabalho do qual ele tenha consciência do porquê realiza. 

E, por fim, nossa proposta é impulsionar aqueles que almejam ser líderes extraordinários, aptos a desenvolver essa liderança adequada à empresa do futuro, cuja demanda é ser mais humanizada, eficaz, e tornar as empresas veículos de crescimento não só profissional, mas também pessoal.

Afinal, o trabalho é um esforço coletivo, em que todos estamos influenciando o resultado do grupo, não só o líder ou a liderança maior da empresa. Por isso, visamos oferecer ferramentas práticas e aplicáveis de imediato tanto para desenvolver a liderança, quanto para que cada colaborador assuma sua parte de responsabilidade para construir este trabalho intencional, e um ambiente de trabalho saudável, humanizado e muito produtivo

Assim, se você é gestor e líder de equipe, se você pretende ser gestor num futuro próximo, ou se você quer desenvolver sua liderança e gerar maior impacto como membro de equipe, a Upskill Platform é para você. Por isso, te convidamos a conhecer nossa maneira simplificada, personalizada e eficiente de desenvolver os líderes, promover um trabalho mais consciente, produtivo e realizador e, mais do que atrair, engajar e reter talentos, acelerar a performance e o crescimento da sua empresa.

Quer saber mais sobre como desenvolvemos a liderança de maneira simples e inovadora?

Agende uma Demo, clicando aqui!

Autores: Gustavo Oliveira e William Camara

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Summary

Newsletter

Assine nossa newsletter e mantenha-se atualizado.

Últimos artigos

Uma mulher com cara de sobrecarregada por estar ocupada demais
Intuitive & Creative Mind
Aline Daher

Busyaholic: como parar de se ocupar e inovar?

Você passa mais de 8 horas trabalhando, mas, no fim do dia, sente que não fez o suficiente? Tem a sensação de correria, de não ter tido um momento de tranquilidade, mas não produziu nada relevante ou não criou nada novo? Se você disse “sim” a alguma das perguntas acima, é provável que faça parte do time dos busyaholics. O busyaholic não só trabalha o tempo todo, mas sente necessidade de estar ocupado o tempo todo. Por esta razão, não dedica tempo ao ócio, tão relevante para a criatividade e performance. 

Saiba mais »
fit cultural
Liderança do futuro
Aline Daher

Fit cultural inclusivo: para além do recrutamento

Fit cultural é um termo que se aplica, normalmente, ao alinhamento de um candidato a determinada vaga, no processo de seleção de uma empresa. No entanto, quando restringimos esta prática à entrevista de seleção de um novo colaborador, podemos estar ignorando o fato de que a cultura organizacional sofre mudanças ao longo da história de uma empresa, e que seus colaboradores e políticas precisam se adaptar, do contrário, seria necessário trocar todas as equipes a cada mudança de cenário.

Saiba mais »

Agende uma demonstração

Desenvolva sua equipe, faça sua empresa crescer