Upskill Platform

Quiet ambition: por que as novas gerações não querem cargos de liderança?

O "quiet ambition", ou ambição silenciosa, foi o nome dado por uma reportagem da Revista Fortune para o comportamento liderado pela Geração Z de priorizar ambições da vida pessoal em detrimento da profissional, e não aceitar trabalhar sem um propósito claro. Uma das consequências mais expressivas deste fenômeno é a redução de profissionais interessados em assumir cargos de liderança e ascender na carreira.

Quiet ambition: por que as novas gerações não querem cargos de liderança?

O “quiet ambition”, ou ambição silenciosa, foi o nome dado por uma reportagem da Revista Fortune para um comportamento liderado pela Geração Z. O movimento busca priorizar ambições da vida pessoal em detrimento da profissional, e não aceitar trabalhar sem um propósito claro. Uma das consequências mais expressivas deste fenômeno é a redução de profissionais interessados em assumir cargos de liderança e ascender na carreira. 

Pesquisas comprovam o fenômeno do quiet ambition

Segundo o relatório da plataforma de people analytics canadense Visier, apenas 4% de 1.000 colaboradores entrevistados em sua pesquisa consideram ascender na hierarquia corporativa um objetivo importante de carreira.

Conforme publicou a Forbes, “8% [dos entrevistados] estão interessados ​​em se tornar gestores de equipes na empresa em que trabalham e 62% preferem permanecer como estão, sem pessoas abaixo, enquanto 37% dos entrevistados afirmaram que algum dia estarão interessados ​​no trabalho do seu chefe. Por fim, 91% citaram motivos como as responsabilidades associadas à liderança, como estresse ou pressão e trabalhar mais horas, para não querer subir“.

Um levantamento da Harvard Business Review também mostrou uma redução no interesse dos profissionais em assumir cargos de liderança. Nesta pesquisa, apenas 34% dos mais de 3.600 entrevistados (de diferentes gerações) mostraram interesse em se tornar líderes. E apenas 7% querem se tornar C-level.

Por que o movimento do quiet ambition está crescendo?

A pesquisa Perspectivas sobre os desafios do pipeline de liderança , realizada em 2021, pelo Instituto Insper, em parceria com a Consultoria em RH Robert Half, já mostrava a redução do interesse em ascender na carreira. “Ao longo do pipeline da liderança, profissionais enfrentam duas grandes preocupações sobre ascensão: sobre competência (prontidão para próximo nível e medo de falhar) e sobre equilíbrio vida pessoal-trabalho”, o relatório descreve.

Outros aspectos que desmotivam a ascensão a cargos de liderança:

  1. O exemplo do líder direto do colaborador, que não consegue equilibrar vida pessoal e profissional,
  2. A ausência de flexibilidade no modelo de trabalho. O líder tem que ir para o escritório todos os dias,
  3. O ambiente de trabalho hostil, dificultando a criação de conexões significativas e segurança psicológica. E a sensação de incompetência em gerir outras pessoas neste contexto,
  4. O tempo excessivo que a liderança dedica ao trabalho, deixando em segundo plano prioridades para a Geração Z, “como passar tempo com a família e amigos (67%), ter saúde física e mental (64%) e viajar (58%)”,
  5. Falta de suporte da empresa às lideranças, tanto para o desenvolvimento profissional quanto pessoal.

O estímulo de seus talentos a se tornarem futuros líderes da sua organização não precisa ser uma obrigação chata do ambiente de trabalho. Pode ser uma forma de dar suporte para que cada um alcance seus objetivos pessoais, enquanto alcança as metas no trabalho e, por consequência, ascende na carreira.

O que posso fazer para incentivar a ascensão profissional?

Cargos de liderança não são para todo mundo, mas se você enxerga potencial de sucessão em seus talentos, algumas maneiras de incentivá-los a gerir equipes é:

  • Desenvolver sua liderança atual para ela ser exemplo atrativo de ascensão na empresa e na carreira, 
  • Dar condições e recursos para que este novo desafio possa ser vencido com a sensação de contribuição e sem síndrome do impostor ou prejuízo para a vida pessoal,
  • Formar líderes-mentores, capazes de realmente desenvolver as habilidades que seus times precisam para constantemente vencerem novos desafios e se realizarem através do trabalho,
  • Oferecer suporte para os líderes, mostrando que assumir um cargo de liderança não se resume a trabalhar mais e apagar incêndios sem hora para descanso ou diversão,
  • Entender que cada colaborador/líder tem necessidades diferentes na vida pessoal e profissional e flexibilizar a forma de trabalhar para que haja motivação para o trabalho tanto quanto para as atividades com a família e amigos.

A melhor solução para enfrentar a quiet ambition

Depois de 20 anos estudando mentalidade e habilidades comportamentais, bem como aplicando mentorias individuais e em grupo, os sócios-fundadores da Upskill identificaram que, nesse mundo rápido e complexo, a melhor solução para que o líder consiga ser um exemplo de realização no trabalho e na vida pessoal, é o acompanhamento de um mentor (1:1). Tanto um executivo colega mais sênior que faça o papel de orientar e corrigir as ações do novo líder, quanto alguém especializado nas competências comportamentais que a posição exige.

Enquanto o profissional se desenvolve de maneira mais veloz para gerar resultados para a organização, paralelamente, leva as competências comportamentais desenvolvidas com o mentor para o âmbito pessoal, aumentando seu autoconhecimento e qualidade de vida.

Quer saber como o programa da Upskill pode te auxiliar a manter o pipeline da liderança funcionando?
Agende uma DEMO!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Summary

Newsletter

Assine nossa newsletter e mantenha-se atualizado.

Últimos artigos

fit cultural
Liderança do futuro
Aline Daher

Fit cultural inclusivo: para além do recrutamento

Fit cultural é um termo que se aplica, normalmente, ao alinhamento de um candidato a determinada vaga, no processo de seleção de uma empresa. No entanto, quando restringimos esta prática à entrevista de seleção de um novo colaborador, podemos estar ignorando o fato de que a cultura organizacional sofre mudanças ao longo da história de uma empresa, e que seus colaboradores e políticas precisam se adaptar, do contrário, seria necessário trocar todas as equipes a cada mudança de cenário.

Saiba mais »
equipes
Human-Centric Work Design
Aline Daher

Mude a maneira como suas equipes são lideradas

Loud quitting, quiet quitting, lazy job, coffee badging estão desafiando as empresas a manter a produtividade e performance dos times e do negócio, num ambiente de trabalho remoto ou híbrido. No entanto, é certo que o comportamento das pessoas mudou, impulsionado pela pandemia e consolidação de um mundo híbrido, seja para viver, consumir, como para trabalhar.

Saiba mais »

Agende uma demonstração

Desenvolva sua equipe, faça sua empresa crescer